Weby shortcut
LAAN
Logo UFG

História da Anatomia

Por Guilherme Pinheiro Santos Atualizado em 19/11/14 09:38.

Anatomia é o ramo do conhecimento que estuda a forma, a disposição e a estrutura dos órgãos que compõe o organismo. De acordo com Vesalius, a anatomia “deve ser corretamente considerada como a base solida de toda a arte da medicina e sua introdução essencial”. O termo que é de origem grega, literalmente significa “cortar fora”, dai a dissecção do cadáver torna-se o método tradicional de estuda-la. A palavra anatomia também significa separação ou desassociação de partes de corpo.

O homem pré-histórico já observava à sua volta a existência de seres diferentes de seu corpo, os animais. Com isso, passou a gravar nas paredes das cavernas e fazer esculturas das formas que via. Assim, passou a notar detalhes, que hoje nos permite identificar as espécies animais descritas. Foram os gregos que denotaram um maior avanço no estudo da anatomia, com Asclépio. Depois de Asclépio, vieram sucessores, constituindo escola, como por exemplo: Hipócrates; Aristóteles; Herófilo; Erasístrato; Celso; Rufus; Galeno.

Galeno, por exemplo, estudou muito animais e fez alusão ao ser humano, cometendo desta maneira, grandes erros, descobertos depois por anatomistas de outras épocas.

O maior médico romano seria Galeno de Pérgamo (129-c.200 d.C.). A fisiologia de Galeno partia da distinção tradicional entre quatro elementos (terra, água, ar, fogo) e quatro qualidades primárias (quente, frio, seco, úmido). Seguindo Platão, identificou três faculdades da alma: o racional (ligado ao cérebro, centro do sistema nervoso), o animal ou espiritual (ligado ao coração, a fonte das artérias) e o nutritivo (ligado ao fígado, fonte das veias) Não tendo acesso a cadáveres humanos para dissecação, baseava suas conclusões nos corpos de animais. Em animais vivos, fez incisões em torno de diferentes vértebras para determinar que partes e funções eram afetadas. Seguiu a tradição de Hipócrates, estudou Erasístrato, e se inspirou nos ensinamentos de Aristóteles. Sua vasta obra anatômica se baseou na dissecação de macacos, o que o levou a alguns erros significativos. Erasístrato havia seguido a recomendação de Aristóteles de estrangular o animal antes de fazer uma dissecação, e com isso concluíra que nas artérias havia apenas ar. Rejeitando este método de preparação, Galeno pôde mostrar que as artérias também contêm sangue.

Os Anatomistas estudaram sempre às escondidas, pois era proibido o uso da dissecação. Considerava-se abuso a violação de um cadáver, de forma especial, o humano. Os estudos provenientes nessa época e nas seguintes dependiam da autorização expressa do rei, ou corria-se o risco de ser preso e condenado. As dissecações eram feitas em porões, adentrando as madrugadas.

A informação obtida pela dissecação pode ser distribuída e organizada de duas formas principais e complementares. Anatomia sistemática e regional. Na sistemática a atenção e dirigida a grupos de órgãos que estejam estreitamente relacionados em suas atividades que constituam sistemas corpóreos com evidente função comum. Já a regional esta diretamente envolvida com a forma e as relações de todos os órgãos presentes em partes ou regiões corpóreas especificas.

Existe ainda a chamada anatomia comparada que é a descrição e a comparação das estruturas dos animais, e estabelece os critérios para sua classificação. Além do conhecimento “per si” da estrutura corporal dos diferentes animais estudados é fundamental relacionar a forma do corpo do organismo com seu habitat e, a partir disso, tentar compreender o seu modo de vida. Também a anatomia comparada preocupa-se, com a elucidação das relações evolutivas existentes entre os diferentes animais, retiradas das homologias estabelecidas entre as mais variadas estruturas que fazem parte do corpo dos animais. Considerado como o fundador da anatomia comparada o Francês Georges Cuvier (1769-1832) teve uma carreira extremamente prolífica nas ciências naturais. Entre seus trabalhos mais importantes no estudo da anatomia estão nove volumes das chamadas “Lecons d'anatomie comparee”. Em seus trabalhos Cuvier ressaltava a grande interdependência entre forma e função, precisamente ajustados um ao outro. Essa relação era responsável por permitir a adaptação do organismo ao seu meio ambiente. Cuvier utilizava esse princípio para justificar a imutabilidade dos organismos diante do tempo e assim para combater a idéia de evolução biológica.

O sucessor de Cuvier na anatomia animal comparada foi o inglês Richard Owe era criacionista e comungava das ideias sobre adaptação, contudo achava que as correspondências entre as partes dos corpos de diferentes animais, as homologias, observadas em diversas situações, necessitavam de uma explicação. Com esse objetivo em mente Owen criou o conceito de arquétipo. Arquétipo, segundo Owen, vem a ser o plano básico de construção do corpo dos diferentes grupos de animais, criado por Deus. As diferenças corporais observadas, por outro lado, seriam o resultado das adaptações necessárias para a sobrevivência dos organismos nos diferentes habitats. Após a publicação da “Origem das espécies”, por Charles Darwin, em 1859, o conceito de arquétipo foi deixado de lado. Hoje, graças à teoria da evolução, bem fundamentada por dados oriundos de vários campos do conhecimento, sabe-se que as homologias representam traços de ancestralidade compartilhados por organismos aparentados evolutivamente e nesse contexto a anatomia comparada pode fornecer pistas que auxiliem os pesquisadores a estabelecer as relações de parentesco entre diferentes organismos.

Autora:
Leiny Paula de Oliveira
Acadêmica do curso de Medicina Veterinária

BIBLIOGRAFIA:
DYCE, K. M.; SACK, W. O.; WENSING, C. J. G. Tratado de anatomia veterinária. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.
GETTY, R. SISSON, S.; GROSSMAN, J. D. Anatomia dos animais domésticos. 5 ed., 2 v, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1986.

 

Listar Todas Voltar